«

»

abr 18 2008

AT&T alega que a Internet atingirá seu limite de capacidade até 2010

(fonte: http://techgeek.com.au/2008/04/19/att-says-internet-to-reach-full-capacity-by-2010)

De acordo com a AT&T, a atual infra-estrutura que suporta a “rede das redes” deve atingir seu limite de capacidade em 2010. Jim Cicconi, VP de assuntos legais para a AT&T, em palestra no evento eForum, em Londres, alertou que a capacidade dos atuais sistemas não conseguirão acompanhar a crescente quantidade de vídeos e conteúdo gerado por usuários que vem sendo constantemente enviado aos servidores espalhados ao redor do globo.

Segundo Cicconi, seria necessário um investimento da ordem de US$ 5 bilhões pelos próximos 3 anos – apenas nos EUA – para readequar a infra-estrutura de rede de modo a suportar a crescente demanda por recursos. Ainda segundo ele, este novo perfil de tráfego deve aumentar em 50 vezes a demanda por recursos (como largura de banda e processamento) até 2015. Não fosse isso o bastante, ele alerta que novos formatos de tráfego – que já circulam pela Net, como vídeos em alta definição, devem aumentar ainda mais a demanda por recursos.

Oito horas de vídeo são carregados no YouTube, por minuto. Tudo irá migrar para o formato HD – High Definition – em um futuro muito próximo, e o formato HD consome de 7 a 10 vezes mais banda que o formato tradicional. Vídeo será responsável por 80% de todo o tráfego da Internet até 2010, um aumento de 30% se comparado com os dados atuais“, disse ele.

————————————————————————–
Minha modesta opinião:

Este fato não é novo… a Internet sempre teve esta característica! Desde o seu nascimento, como ARPANET, a Net nunca foi uma rede 100% planejada. E é exatamente aí que está a sua fórmula de sucesso, na minha opinião. Conforme novos formatos de tráfego vão sendo criados, a infra-estrutura da “rede das redes” vai sendo remodelada, assim como novos protocolos, serviços e dispositivos vão sendo criados e incorporados ao backbone da rede.

Atualmente, nos Estados Unidos, por exemplo, é possível a um usuário doméstico – como eu e você – contratar um acesso banda larga de 100 M! Aqui no Brasil, estamos na casa dos 10 Megas, mas em breve certamente estaremos presenciando a oferta de bandas mais generosas. E se os provedores de serviço oferecem estas bandas, é porque existe um core capaz de suporta-las. Eu trabalhei em um provedor de Internet (a extinta – e saudosa – Vivax), e vi que o que lhes digo aqui, é fato. A rede passava por constantes upgrades, tanto de banda quanto de equipamentos. Era uma rede praticamente “viva”. Testávamos novos equipamentos, e até mesmo, novos protocolos, exaustivamente, tudo para poder oferecer ao usuário final mais e mais banda, por um preço cada vez menor.

Ou seja, a declaração do Sr. Ciconne me parece um tanto quanto exagerada. “Seria necessário um investimento de 20 bilhões de dólares”, segundo ele, nos próximos 3 anos? Oras, isso, a AT&T tira do chinelo! O que eu achei mais estranho foi o cargo do Sr. Ciconne: “VP de assuntos legais” 😉 ? Dando declarações sobre a capacidade da Internet? Hmmm…! No mínimo, estranho!

O que acham???

Abs e bom feriado!

Marco.

0
0

9 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. Anderson Rodrigues

    Uou!

    Também trabalhei em um Service Provider, se chama Interair. Por mais que a empresa seja um grão de arroz perto do que a Vivax era, ou a NET é hoje, eu sei perfeitamente também como era trabalhar com os upgrades na rede, quase que diários.

    Mas será mesmo que as empresas de telecom do mundo inteiro não vão investir zilhões para que isso não ocorra? Pô 2010 está aí, se a internet atingir seu limite o que será do mundo?

    0

    0
  2. Rodrigo C. Soave

    Falar que os grandes SP do mundo vao deixar isso acontecer é meio estranho, uma vez que o aumento de servicos e de banda na internet e a maneira como a rede influencia nos novos serviços é o ” filet” para os ISPs e a galinha de ovos de ouro para os cofres delas, e acredito que se precisa haver investimento, todos eles irao realizar de qualquer forma, mesmo por que dinheiro pra isso a eles é o que nao falta!!

    Bom pra nos que trabalhamos com isso, e pelo visto emprego vamos ter ainda por muitos anos!!

    Abs

    Rodrigo.

    0

    0
  3. É, estranho mesmo!!! O cara é VP de assuntos legais e fica opinando sobre rede? De qualquer forma, concordo com o Marco e com o Rodrigo! Investimento nessa área é o que não tem faltado!

    0

    0
  4. ferrugem

    O Marco poderia ser considerado Presidente de assuntos legais?!?!? rsrsrs … Afinal de contas ele é o mantenedor deste blog, e o blog trata de assuntos legais!!! 😀 rsrsr

    Brincadeiras a parte, o que faz um VP de assuntos legais?

    Os investimentos são muitos e não acredito que essa infra atingirá tal limite comentado por este Sr…

    0

    0
  5. VP de assuntos legais trata de assuntos jurídicos…! Ou seja, NADA a ver com as declarações do indivíduo ehehehe

    0

    0
  6. sullivan

    Resumindo pessoal, “O homen viajou na maionese”, me diz qual grande empresa hoje em dia não dedica milhões em p&d de infra para redes,softwares e por ai vai. O máximo que poderia acontecer e ja esta acontecendo é uma nova revolução tecnologica no que diz respeito a transmissão de dados em alta velocidade e novas tecnologias.

    0

    0
  7. rjsmoreira

    Bota viajar na maionese nisso… o cara ta pirando.

    0

    0
  8. davidelvisrosa

    opa! 2010 chegou estamos perdidos 😉

    0

    0
  9. Lucas Colferai

    Pois é, chegou 2011 e nada de catastrófico aconteceu. No Brasil já existem planos de 100 MB doméstico a mais de um ano, o YouTube já suporta vídeos em HD, não para de crescer o número de equipamentos e usuários do Brasil conectados a grande rede… Até já acabaram os IPs v4 disponíveis no mundo, ainda estão testando o IPv6 e mesmo assim a Internet continua funcionando.

    Agora, um movimento pudemos ver nos últimos anos. As grandes empresas fornecedoras de tráfego de rede estão querendo “se dar bem”, inventando a história de que os grandes portais estão usando sua estrutura de graça (fazem de conta que os usuários não pagam pelo acesso) e querem ser “ressarcidas”. Por outro lado, também querem poder diferenciar o tipo de tráfego que cada usuário pode ter (quer assistir vídeo, pague um extra…).

    Penso que a declaração da AT&T tinha tudo a ver com o que aconteceu depois.

    0

    0

Deixe uma resposta