«

»

jan 26 2009

[P&R] WiMAX? Why? Uai!?

wimax-logo.gifRetomando a sessão de perguntas e respostas, achei que esta seria uma interessante…! Ao que parece, enquanto muitos sequer conhecem a tecnologia WiMAX, outros já começam a ter dúvidas sobre o seu futuro. Em uma linguagem menos técnica, o WiMAX é a evolução do Wi-Fi, que por sua vez é o atual padrão de tecnologia para acesso sem o uso de fios.

O padrão WiMAX (conhecido também pela sigla IEEE 802.16) foi concluído em outubro de 2001 e publicado em 8 de abril de 2002. O “novo” padrão corrige e aprimora, justamente, os principais pontos-fracos do Wi-Fi: preço, acessibilidade, raio de atuação e disponibilidade. Para quem não sabe, a sigla WiMAX significa “Worldwide Interoperability for Microwave Access/Interoperabilidade Mundial para Acesso de Micro-ondas”. Pelo nome já se percebe que a idéia é oferecer altas velocidades via micro-ondas, em âmbito global. O padrão WiMAX tem como objetivo estabelecer a parte final da infra-estrutura de conexão de banda larga (last mile) oferecendo conectividade para uso doméstico, empresarial e em hotspots.

A Embratel já concluiu a implementação da rede WiMAX em 12 cidades brasileiras, visando o mercado corporativo. A primeira fase, já concluída, montou redes nas cidades de Belém, Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Fortaleza, Goiânia, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador, São Luís e São Paulo. Numa segunda etapa, outros 49 municípios serão beneficiados pela rede. Ao todo, a Embratel instalará 1018 rádios ERB para fornecer o sinal sem fio de acesso à web no padrão WiMAX. A empresa, entretanto, não revela características técnicas da rede, como velocidade de tráfego de dados ou se a rede será para acesso fixo ou WiMAX móvel.

Como já foi dito, o WiMAX é um padrão aberto (independente de fabricantes) de conexão sem fio, certificado pelo IEEE – Institute of Electrical and Electronics Engineers. Logo, não é uma tecnologia proprietária, não há donos. As diretrizes e discussões ficam à cargo do WiMAX Forum, uma organização sem fins lucrativos formada por dezenas de empresas que enxergam na tecnologia um futuro promissor. Evidentemente, elas tiram o lucro desenvolvendo chips e equipamentos certificados para WiMAX. As empresas-líderes são Intel, Airspan Networks, Alvarion, AT&T, Aperto Networks, British Telecom, Fujitsu, KT Corp, Samsung, Sprint Nextel, Wi-LAN e ZTE Corporation. No Brasil, a maior divulgação (e empolgação) vem da Intel, em vários eventos e congressos sobre o tema.

Afinal, como funciona o WiMAX?

É bem fácil de entender como você vai poder acessar a Internet de casa, sem fios e sem se preocupar com hotspots. A transmissão do sinal WiMAX é bem parecida com a de um telefone celular. Um torre central envia o sinal para várias outras torres espalhadas e, estas, multiplicam o sinal para chegar aos receptores.

O usuário precisa de uma pequena antena receptora, da qual resulta na conexão que vai até o seu computador ou notebook, plugada via placa de rede. Essa antena pode ficar no topo de um prédio (multiplicando a conexão para o condomínio, por exemplo) ou ao lado do gabinete do PC mesmo, como se fosse um equivalente ao modem externo usado por Velox ou Speedy.

Até aí, é meio parecido com o Wi-Fi, não é? A diferença é que os pontos de acesso do Wi-Fi são extremamente limitados. O sinal só alcança 100 metros, em média, a uma velocidade máxima de 11 Mbps. Acontece que o acesso e a velocidade dependem de uma série de fatores e, geralmente, não chegam a esse valor. Um roteador genérico de Wi-Fi permite a cobertura de 45 m em ambiente interno e cerca de 90 m externo. Para distâncias maiores, é preciso criar redes de múltiplos pontos, interligadas.

No caso do WiMAX, em condições ideais, o sinal alcança um raio de até 50 km e velocidade de 75 Mbps. A velocidade é compartilhada com os usuários que estiverem utilizando o sinal enviado pela torre. Ainda assim, o sinal na chamada última-milha (o usuário final) tende a ser mais rápido e estável do que as conexões banda larga disponíveis hoje.

Quanto vai custar?

Ninguém sabe. As operadoras guardam os estudos comerciais a sete chaves. O gerente de mobilidade da Intel, contudo, deixa claro que, para ser viável comercialmente, quem oferecer conexão WiMAX nas cidades terá que competir com os preços praticados hoje. Ao que parece, o custo de instalação para as operadoras é bem menor no WiMAX do que para DSL. Por aí podemos ter uma idéia… .

Espero que tenham gostado!!

Abs!

Marco Filippetti

Fonte: http://tecnologia.uol.com.br/especiais/ultnot/2005/12/29/ult2888u131.jhtm



Comente usando o Facebook!
0
0

9 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. Érik

    Vlwe pela noticia Marco.

    Não vejo a hora de ter mais opções lá em casa pq soh Brt….eh o fim do mundo!!!!

    Uma coisa que vai ser boa de ver, será a “batalha” do 3g com WiMax..Vamos esperar para ver no que vai dar.

    []’s

    0

    0
  2. Carlos Almeida

    Ótimo Post Marco!

    O WiMax, pelo que sei sobre o assunto, tem seu foco no mercado corporativo, visto que o 3G tem vantagem sobre o usuário doméstico. Acredito que essas duas tecnologias ainda tem muito caminho a percorrer para que tenha um bom custo/benefício, e isso, logicamente,seguirá por algum tempo!!

    Como o Éric falou, bom vai ser ver essa batalha!

    Abraço!!

    0

    0
  3. Italo Amaral

    Excelente post!

    Não resta dúvidas que o WiMAX é o futuro…

    0

    0
  4. Marcelo Melo

    WinMAX x 3G, que venham outras tecnologias.
    Espero que baixe o preço e que aumente o acesso.

    0

    0
  5. yachid

    Infelizmente nossas esperanças tendem a ser vãs… aposto que o wimax vai chegar mais caro que a conexão cabeada. 🙁

    0

    0
  6. Diogo Santos

    Muito bom…

    Abraços

    0

    0
  7. Rodrigo Falcão

    Já tive a oportunidade de experimentar a tecnologia 3G por um tempo, e não fiquei muito empolgado, entretanto, é uma tecnologia nova, que está se expandindo no mercado brasileiro agora, caso as operadoras resolvam investir, certamente a qualidade melhorará muito. Por hora, ainda temos que contar com o Velox, virtua, ou Speedy da vida, caso desejemos algo um pouco ‘melhor’, mas acho que é uma questão de tempo, embora pareca que nos grandes operadoras não estejam muito dispostas a investir a longo prazo. Com relação ao Wimax, que venha nos libertar dos cabos, com qualidade!!!

    É a velha mentalidade tupiniquim, alto lucro a curto prazo!

    0

    0
  8. Tiago Frigério

    Essa tecnologia promete msm!!
    sera um otimo campo para se especializar!!

    0

    0
  9. Alexandre Toledo

    Eu presto serviço pra Embratel na area de ativação e recuperacao de links de dados e telefonia e andamos ativando uns wimax…no entando a velocidade é de 1 Mbps para acesso a internet + 2 linhas de telefone em um equipamento relativamente pequeno (um pouco maior que uma caixinha de som do computador) e a cobertura é de aproximadamente um raio de 3km do ponto de presença Embratel.

    0

    0

Deixe uma resposta