«

»

abr 29 2009

Mercado de redes terá 44 mil vagas no Brasil

De acordo com matéria publicada pela Info, o Brasil possui algumas áreas no setor de tecnologia que, em breve, devem enfrentar carência de profissionais. Até aí, nenhuma novidade 😉 . A boa notícia é que uma destas áreas seria Infraestrutura de Redes. De acordo com pesquisa publicada pelo IDC, a previsão é que este déficit de profissionais chegue à 90 mil, até 2010, em toda a América Latina. O Brasil, sozinho, responderia por 50% desta demanda, ou seja, cerca de 45 mil posições abertas na área de redes sofrerão com a falta de profissionais qualificados para preenchê-las.

A dúvida é, será este um fato, ou mais um modo de promover o aparecimento e a demanda desenfreada por cursos superiores e de especialização na área? O IDC é um órgão bastante sólido, e dificilmente publicaria dados inconsistentes. Isso significa que temos, por fim, uma excelente notícia. As perspectivas para os próximos 2 anos não poderiam ser melhores para especialistas em redes.

E o melhor, ainda dá tempo de correr atrás do atraso. Prepare-se, estude, certifique-se e garanta uma destas 45 mil vagas! Portanto, vamos lá pessoal! Arregacemos as mangas e MÃOS À OBRA!!! 😀

Um abraço,

Marco Filippetti



Comente usando o Facebook!
0
0

32 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. Eduardo Simao

    Gostei dessa matéria, mas eu pessoalmente não acredito, pois voltamos na questão: Experiência. O mercaso de telecom esta muito ruim, e ter esse crescimento…só se for para vagas como Analista de Suporte N1,N2(Suporte de Campo),etc.Esses cargos tem uma média de remuneração de R$700 e só será interessante para quem esta começando na carreira.
    Enfim, boa sorte para todos e espero que eu esteja completamente errado.

    0

    0
  2. Marco Filippetti

    Eduardo, acho que não entendi… sem experiência alguma você gostaria de disputar vagas nível Sênior, é isso? 😉

    Certamente haverão vagas de todos os níveis (assim como há hoje). Agora, para preencher uma vaga melhor, VOCÊ precisa ser melhor, certo?

    Abs!

    Marco.

    0

    0
  3. Diogo Mendes

    Acho que realmente essa eh uma tendencia… a verdade é que já temos muitas vagas! Basta estar qualificado pra elas! Nem sempre é facil, pois existem vagas solicitando mtos atributos dificeis de serem alcancados, mas existem!!

    Vamos correr atras!

    Abraços!

    0

    0
  4. fblessed

    Bom, como provavelmente tem menos de 44 mil leitores nesse blog há vagas pra todo mundo aqui !!! Vamos estudar Galera !!!!

    0

    0
  5. Herbert

    Ter CCNA já é um bom início mas acredito que conhecer Linux e ITIL é quase indispensável para quem está começando.

    0

    0
  6. Minu

    Ter CCNA abre portas. Com tais portas abertas vai de você construir sua escada para o topo. CCNA para mim é o primeiro degrau.. o segundo é a faculdade. e por aí vai.

    0

    0
  7. A. Carvalho

    Galera, estude agora, pq nossa área vai definitivamente BOMBAR nos próximos anos, e quem estiver preparado quando isso acontecer de vdd, terá um futuro brilhante!

    E não se esqueçam, grandes poderes, trazem junto grandes responsabilidades, então que estejamos preparados.

    A vida é dura pra qm é mole, e ponto final! 😛

    0

    0
  8. Mauricio Bento Ghem

    Acredito que quando você não tem experiência, deve ter um diferencial.

    1) Graduação
    2) Certificação
    3) Conhecimento agregado.

    Minha opinião.

    E estágios contam para a experiência, não só no ramo de redes, como é o meu caso. Dependendo o ramo contam como experiência para trabalhos em grupo e equipe.

    Abração,
    Maurício.

    0

    0
  9. Victor

    Aqui no nordeste, o profissional de rede não é bem remunerado, espero que com essa carência a situação financeira melhore por aqui.

    0

    0
  10. Nelson Sauer

    É como o Mauricio falou, quem não tem experiencia tem que ter pelo menos qualificação…

    Eu não tenho experiencia com Redes, más tou terminando a Facu de Gerenciamento de Redes, estudando NetAcad pra me certificar em breve, e fazendo um Inglês… tenho experança em breve conseguir um trabalho legal, eu tou fazendo estágio de informatica, mas nao é na area de Redes, é mais ensinar as pessoas a mexer nos Sistemas…

    Vcs acham que isso agrega valor no meu curriculo, e posso colocar nele isso?

    0

    0
  11. vstrabello

    Opa!

    Dentro de um mês acho que vou fazer minha prova do CCNA… Dentro de um ou dois anos, se eu fizer tudo nos “trinque”, vou virar CC[Alguma coisa]P… Questão de tempo… Até lá, quem sabe eu não esteja dentro de uma dessas vagas?

    Abraços

    Vitor

    0

    0
  12. mjundiai

    Marco,

    Aproveitando o gancho tomo a liberdade de acrescentar abaixo um texto que recebi no ano passado sobre o mesmo assunto, porém faz menção a CISCO também.

    Eu particularmente acredito muito nessa demanda por profissionais de TI nos próximos anos e de três anos pra cá venho preparando o terreno para solidificar minha carreira na área e uma prova disso são as certificações e conhecimento que já obtive em menos de 1 ano, MCP Windows Server 2003, MCP XP professional, ITIL e terminando Netacademy para o CCNA.
    Além é claro de ter feito faculdade de Gerenciamento em Redes de Computadores (Uninove) e uma pós em Administração da TI na FGV.
    O mais curioso é que quando fiz o curso superior em redes que é aquele de 02 anos, muita gente achava que seria besteira e que essa modalidade de curso não pegaria no Brasil, mas o que vejo hoje é exatamente o contrário e a aceitação do mercado pelo esse tipo de curso está melhorando cada vez mais.
    Isso devido a atualização constante da grade curricular e do foco direto á realidade do mercado de trabalho.

    Bom, como gosto muito de escrever, vou parando por aqui.

    Tentei achar o link do texto pra não encher muito o seu tópico, como não achei estou postando a mensagem inteira abaixo, pois acho bem interessante e prova que não é apenas algo pra inflar o mercado já que a própria CISCO diz o mesmo:

    —————————————————————————————————————————————-

    Em 2010, Brasil terá escassez de 44 mil especialistas em redes

    O Brasil enfrentará uma escassez de aproximadamente 44,4 mil especialistas em tecnologias de redes (cerca de 29% da demanda) em 2010. O alerta é de um estudo realizado pelo IDC Latin America – braço do International Data Corporation (IDC) -, com o patrocínio da Cisco. Conforme a pesquisa, em 2007 o déficit no País era de 29,2 mil profissionais (27%).

    Segundo o levantamento, a falta de expertise é grave, especialmente em áreas como telefonia IP, soluções sem fio, segurança, gerenciamento e administração de redes, consideradas tecnologias avançadas. Somente neste nível de conhecimento, a estimativa para 2010 é de uma carência de mais de 27 mil especialistas – hoje, o mercado nacional já enfrenta a falta de 17 mil profissionais com este perfil.

    Diante da tendência de convergência dos sistemas de comunicação, tais especialistas passam a ser essenciais para dar suporte ao crescimento das empresas e da economia como um todo. “Neste cenário, em uma economia cada vez mais competitiva, que necessita de informações, integração e mobilidade, esse profissional se tornará cada vez mais imprescindível no mercado de trabalho”, diz o presidente da Cisco do Brasil, Pedro Ripper.

    Na opinião do executivo, para o País, ter um gap de pessoas com formação nessa área pode significar impactos negativos na economia, já que essa demanda de conhecimento não poderá ser suprida de uma hora para outra. “É necessária uma ação imediata do governo e dos educadores, que garanta a continuidade do desenvolvimento do País e das empresas, que têm muito a se beneficiar com a adoção de novas tecnologias.”

    Os especialistas em redes podem ter formação em qualquer curso de graduação, em áreas ligadas a TI, como Ciências da Computação e Análise de Sistemas, por exemplo. Também podem obter a expertise por meio de cursos de especialização, oferecidos por instituições como Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), Fundação Bradesco e Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE) de São Paulo, entre outros.

    Atuando inicialmente como técnicos, eles podem chegar a cargos de gerência e direção nas empresas, atingindo até funções como Chief Technology Officer (CTO) ou Chief Security Officer (CSO). “Como a oferta começa a ser maior do que a demanda, a tendência é que esse profissional seja cada vez mais requisitado e, conseqüentemente, melhor remunerado”, projeta Pedro Ripper.
    Realizado desde março de 2007, o estudo do IDC Latin America analisou a situação atual de oferta e demanda por habilidades em redes em sete países: Brasil, México, Argentina, Colômbia, Chile, Costa Rica e Venezuela. No total, foram ouvidos aproximadamente 8,2 mil gerentes de TI de empresas de vários tamanhos e setores, incluindo governo, telecomunicações, saúde, educação e comércio.
    De acordo com 46% dos entrevistados, o Brasil é o país onde há maior dificuldade em se encontrar candidatos tecnicamente qualificados. No México, a situação é menos grave, mas também exige atenção. No país, a carência em 2007 era de 20,3 mil profissionais (21% da demanda). Para 2010, a estimativa é de que faltem 28,7 mil especialistas em redes no país (24%). Por esta razão, mais da metade (54%) dos entrevistados demonstrou interesse em terceirizar os seus serviços na área de TI.

    No total, 40% dos executivos consultados já utilizam a rede como forma de acesso remoto aos seus sistemas internos. Quase a totalidade (97%) dos entrevistados acredita que suas redes terão cada vez mais importância no futuro.

    Em busca de soluções

    Não é de hoje que o setor de tecnologia da informação como um todo enfrenta dificuldades para a obtenção de profissionais gabaritados. Conforme estatísticas do Ministério da Ciência e Tecnologia, o déficit atual de profissionais no segmento, hoje, já passa de 20 mil. Com uma previsão de crescimento de 11% no setor até o ano que vem, a tendência é de que a crise se acentue. A Sociedade Brasileira para Promoção da Exportação de Software (Softex), por exemplo, prevê, até 2012, um total de 230 mil vagas abertas em TI.

    Além disso, conforme o IDC, o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do governo federal, deverá resultar em grandes investimentos nas áreas de infra-estrutura e TI, contribuindo significativamente para o aumento dessa carência de profissionais. E, neste contexto, a busca de especialistas em redes é apenas uma das variáveis da grande equação a ser solucionada pelo mercado.

    Por isso, algumas empresas – entre elas a própria Cisco – já mantêm iniciativas que visam diminuir o déficit de conhecimento tecnológico. O Cisco Networking Academy, programa global de educação para capacitação em tecnologia das comunicações, é uma destas ações. No Brasil, mais de 12 mil estudantes já se formaram por meio do programa desde 2000.

    Fonte: Gazeta Mercantil/Vida Executiva/Marcelo Monteiro – 11/04/2008
    —————————————————————————————————————————————–
    Abs,

    Marcos Nunes

    0

    0
  13. Mauricio Bento Ghem

    Acredito que quando não se tem muita experiência, TODA experiência é válida até você atingir o ponto que teve muitas experiências e em seu currículo (também referido como uma espécie de ‘carta’ de apresentação) você possa incluir apenas as mais relevantes e que você ache que possa lhe dar mais pontos para uma determinada vaga!

    Abraço,
    Maurício.

    0

    0
  14. guirouting

    Esta são verdades ditas, e concordo com a maioria, e quero acrescentar:

    Para os melhores salarios como é muito discutido isso, não podemos ser prostitutas de TI, mas sim profissionais que sabem o valor, e quanto o tempo é valoroso tb.

    Hoje sou formado em Redes, e digo que não é só faculdade mesmo, mas sim certificação tb!

    Algo muito importan te que quero compartilhar é que eu tinha serias resistencias a Linux, mas fui trabalhar com atualizações em Linux, e aprendi muito e quebrou toda a resistencia, e a experiencia com a minha faculdade hoje me sinto mais preparado e sei quanto vale o meu trabalho, e claro que a negociação é o melhor caminho, e não simplesmente bater o martelo.

    Abraço a tds e este é meu primeiro post, apesar de conhecer a muito tempo este BLOG.
    Gui.routing

    0

    0
  15. Benjamim Gois

    Eu concordo com o Eduardo Simão, a grande maioria destas vagas provavelmente será para suporte técnico e help-desk. Discordo quando dizem que HOJE existem muitas vagas, falo por experiência própria. Acabei de me formar em Engenharia de Telecomunicações, tenho CCNA , CCDA , BSCI , falo inglês fluente, conheço bastante Linux e ja tenho 2 anos de experiência (como estagiário) e simplesmente não consigo entrar no mercado. Vejo este quadro se repetindo com vários amigos meus que estão na área de telecom/redes.

    0

    0
  16. Fábio

    Eu particularmente sempre fico com um pé atrás com essas pesquisas.

    O que vejo hoje em dia é o salário dos profissionais na área de Telecom/Redes cair cada vez mais em detrimento de outros setores como desevolvimento ou gerencia de projetos, que cada dia sobem mais.

    Tenho um colega que trabalha na área de suporte à rede MPLS, o cara saca pra caramba, mas quando vi que o salário dele era menor que muita gente menos qualificada que eu conheço, fiquei me perguntando se vale a pena estudar tanto pra trabalhar numa tele, ter tanta dor de cabeça diariamente e ganhar menos do que muita gente aí fora…

    0

    0
  17. mjundiai

    Benjamim,

    Entendo que não seja fácil mesmo entrar no mercado. Tenho participado de algumas entrevistas e o que percebo é que apesar de toda a formação que um candidato possa ter, de fato não é nesse ponto (especialização técnica) que o candidato peca e sim na própria entrevista.
    Para entender mais fácil, já ouviu aquele velho ditado “peixe morre pela boca” ? Pois é, tenho ouvido isso de alguns entrevistadores, porque as vezes o candidato tem tudo o que a empresa precisa, conhecimento técnico, Idiomas, certificações e na hora “H” diz na entrevista que no futuro próximo deseja ser um piloto de avião comercial, ou deseja ir para a área de Marketing…
    …As vezes os candidatos criticam a empresa anterior e expõe o seu ponto de vista sobre uma causa que para quem está contratando, é uma informação sem relevência alguma e de dificil comprovação. Isso “pega mal” porque eles irão imaginar o que você irá falar quando sair de lá caso seja contratado e mais, o problema pode não ser a empresa anterior e sim o funcionário.

    Por esse motivo, pra preparar-me para entrevistas e ter um bom Networking que venho buscando interagir e entender como funcionam os processos de seleção.
    Acreditem isso apesar de ser uma tarefa de RH, é muito útil para que saiamos bem nas entrevistas de emprego.
    Existem caminhos para isso…

    Abs,

    Marcos Nunes

    0

    0
  18. A. Carvalho

    Concordo contigo Marcos, o grande mal é exatamente a entrevista, pois o currículo pode ser invejável, mas o que eu vejo de pessoas com extrema competência no currículo, não saber formalizar um e-mail, usar pontuação, começar a frase com letra maiúscula, olha, são pequenos detalhes, mas eu reprovaria um profissional assim, e não são poucos, poucos são os que fazem de maneira correta.

    Vale sim entender como funciona um processo de seleção de TI, é sempre bom ter a visão e entender o que se passa na cabeça da pessoa que estará do outro lado da mesa.

    Abraços!

    0

    0
  19. Eron Melo

    Srs(as),
    Pelo que entendi através dos posts acima, uns não confiam tanto nas pesquisas assim; outros acham que essa notícia é direcionada para, apenas, algum grupo de profissionais experientes no mercado. Eu concluí que,:
    1) Como o Marco disse, “O IDC é um órgão bastante sólido, e dificilmente publicaria dados inconsistentes.”
    2) Onde há fumaça, HÁ FOGO!!!!

    Então prepare-se pois, com certeza, QUEM BUSCA ENCONTRA!!!!! E o Marco não enviaria um post para nos motivar sem estar bem embasado.

    0

    0
  20. Marco Filippetti

    Galera, eu acho que o pior, para TI, já passou. Daqui para frente é só subida e retomada de negócios. Podem escrever… as vagas vão voltar a aparecer. E quem estiver preparado, vai se dar bem.

    Abs!!

    0

    0
  21. Alexandre Canalle

    Boa Tarde Pessoal,
    Para mim, com toda a certeza, “brigar” por uma boa vaga de trabalho no mercado tem sido algo extremamente difícil de se fazer pela escassez de boas propostas.
    Por mais que dados apareçam, não foram apresentadas estatisticas à respeito de incidência em determinadas regiões e dos ramos de redes ofertados. Provavelmente são vagas que até então não foram preenchidas seja por falta de profissionais, por má-distribuição geográfica das ofertas ou por propostas de remuneração abaixo das espectativas.
    Sei que ainda começo na área de redes, pois tenho apenas 6 meses de experiência num estágio em Gerência de redes SNMP. Mas como foi dito nos comentários, não é somente a experiência técnica que conta, mas também a vivência profissional e já trabalho há 5 anos. Sigo meus estudos para certificação MCP 70-290 e CCNA (mesmo que um pouco atrasados devido aos estudos para meu Trabalho de Conclusão de Curso) e espero, em breve, ser sondado por empresas que sejam justas com suas ofertas aqui em Curitiba. Por enquanto, a melhor alternativa é tornar-se especializado em algo que tenha futuro. Certamente logo teremos boas propostas!!!

    0

    0
  22. Isaias Oliveira

    Galera, na minha opinião sempre terá oportunidade para todos os níveis de conhecimentos, basta cada um traçar um objetivo e fazer um bom planejamento no que quer seguir, hoje em dia conheço muitas pessoas que tem experiência, ficam na mesmice e não se destacam, estamos numa época em que temos que fazer algo mais, saber fazer a diferença será uma das grandes característica que o mercado exigirá.

    Uma boa sorte a todos!!!

    0

    0
  23. renato.fernandes

    Olá Pessoal,

    Só gostaria mencionar para não esquecerem de estudar INGLES, pois semana passada fui na AT&T para uma vaga de redes, fiz uma prova estilo CCNA e acertei tudo, mas exigia inglês fluente, pois os projetos eram todos internacionais e meu inglês infelizmente ainda não é fluente, mas estou correndo atras.

    []’s

    0

    0
  24. Eduardo Simao

    Eu concordo com o Marcos, sobre ” O pior já passou”, mas…não estamos na era do ouro. Como regra, eu sempre olho as vagas para saber como esta o “mercado” e o que ele esta “pedindo”, e diminuiu bastante aquelas vagas que pedem tudo e pagam nada, além de ter aumentando também o número de vagas boas.

    Acredito que esses valores mencionados na pesquisa são válidos, entretanto, são voltados principalmente para os programadores.

    Como citado, é extremamente dificil entrar nesse ramos, porém é fundamental não perder as boas oportunidades.

    0

    0
  25. Rodrigo Farias

    Aqui no Brasil, mesmo sendo credenciada essa pesquisa, eu continuo sem acreditar. O tal do brasileiro é fod…

    Sabe o que vai acontecer? Sim, certo, déficit de 44 mil vagas, mas 43.900 serão para Senior CCIE’s com salário de R$2,000 .. rsrs

    Espero que eu esteja errado! 🙂

    0

    0
  26. Fernando Avelino

    Na área de redes pra quem tem boa formação e inglês avançado/fluente não fica desempregado, e sempre há boas oportunidades, um bom termômetro são os sites de emprego na minha opinião.

    Eu acho que para profissionais qualificados que não estão conseguindo emprego, o jeito seria partir para concurso público, tenho alguns amigos que partiram pra essa opção, conseguiram estabilidades e salário acima do mercado.

    Agora se a pessoa não tem faculdade, não fala inglês e só com um CCNA na mão, não vão aparecer coisas muito boas mesmo, é necessário ter um equilibrio entre certificações x formação x experiência x idioma.

    0

    0
  27. Rodrigo Falcão

    Senhores,

    Essa é uma velha discussão, oportunidades x experiência x remuneração, e o que sempre percebo é que mal ou bem, as vagas existem, porém para vagas com altos salários e que seja técnicas, é exigido que o cara seja quase um Jedi, do contrário tem que pular para área gerencial, ai entra a questão da experiência e tudo mais.
    Acho que o momento é de observar, se preparar e caso a oportunidade bata na porta, boa sorte.
    Concordo com vários comentários, desde os mais pessimistas, até os mais otimistas, porém uma coisa é certa, tem muito profissional que é tecnicamente fantástico, mas que não se encaixa no perfil de profissional que a empresa procura, e se a empresa tem um RH sério e competente, não adianta que não vai entrar se não se encaixar nesse perfil. Até pouco tempo achava que isso era balela, mas tenho visto isso acontecer de vez em quando.

    Abs.

    0

    0
  28. Nelson Sauer

    É complicado, porque tem profissional que deixa a area tecnica, pela gerencial, so pra ganhar mais e nao porque gosta…
    Tudo bem que a area gerencial é mais “graduada”, mas nem todo mundo pensa assim..

    Abs

    0

    0
  29. Miguel Gustavo

    Tudo balela.
    Vai ficar no mercado quem obter os melhores resultados para o EMPREENDEDOR.

    Se vocês acham que trabalhar entre 4 paredes resolvendo pica, tendo CC ( nao sei o que), ITIL, LINUX, entender piadinha em ingles que indiano conta e ficar lembrando do dia que você entregou uma rosa pra mamãe no dia da colação de grau é diferencial, vai ficar pra trás.

    Negócio é TRABALHAR e PRODUZIR.

    Conheço inúmeras situações de gente que tá por cima do bagulho mesmo sem ter formação superior, inglês fluente, certificação… Mas dão resultados…

    0

    0
  30. Fera

    miguel_gustavo,

    Você pode conhecer inúmeras situações de gente que tá por cima do “bagulho” sem formação, mas são exceções. Se com formação, certificações e inglês está difícil imagine pra quem nao tem!?

    Negócio é se PRERARAR!!

    0

    0
  31. Rafael Carvalho

    pagando bem que mal tem ?

    0

    0
  32. davidelvisrosa

    será q ja existe tudo isso em 2010 ? hmm

    0

    0

Deixe uma resposta