«

»

dez 14 2009

WiMAX

Olá pessoal, este é o meu primeiro post no blog! Sou o Thiago Guesse, colega de trabalho do Marco, na Embratel. Este post foi originado de um artigo que escrevi para a revista RTI há pouco tempo.

Espero que gostem!

Um abraço!

Thiago.


As redes Wireless se dividem em quatro grupos WPAN, WLAN, WMAN e WWAN, o grupo WPAN (Wireless Personal Area Network), abrigam as tecnologias Wireless com transmissão de pequeno alcance em metros e que não necessitam de muito desempenho de velocidade. Por sua vez o grupo WLAN (Wireless Local Area Network), refere-se a uma rede local. Segue o padrão IEEE 802.11x em que o Wi-Fi é a principal tecnologia desta família. O grupo WMAN (Wireless Metropolitan Area Network), refere-se às redes metropolitanas, que são de uso corporativo e atravessam cidades e estados.Essa conexão é utilizada na prática entre os provedores de acesso e seus pontos de distribuição. Neste grupo existem algumas tecnologias que estão sendo muito discutidas. Dentro desta família abriga-se o padrão WiMAX. Já o grupo WWAN (Wireless Wide Area Networks), tem as tradicionais tecnologias de telefone celular de voz e alguns serviços de dados. O WiMAX é um padrão de Broadband Wireless Access, completo para voz, dados e vídeo, com QoS e segurança, para ser utilizado na última milha. Suporta topologias ponto a ponto e ponto-multiponto. Esta tecnologia é definida para uma largura de banda de freqüência entre 2 e 66GHz atualmente utiliza a largura de banda de freqüência entre 2 e 11 GHz.O WiMAX pretendem desenvolver um mercado de acesso de banda larga mais competitivo, através da redução de custo da implantação de uma nova rede ou extensão de uma rede já existente, pretende desenvolver também uma interoperabilidade entre produtos de diversos fabricantes. Esta interoperabilidade é garantida através da certificação dos produtos que atendam a uma especificação mínima estipulada e testadas pelo WiMAX Fórum. O WiMAX Fórum é um grupo que tem como objetivo a adoção global de uma plataforma comum para serviços de banda larga sem fio. Fazem parte deste grupo mais de 520 empresas de todo o mundo, que trabalham para o desenvolvimento da tecnologia WiMAX.Atualmente o WiMAX possui dois padrões para diferentes tipos de acesso, o IEEE 802.16d e o IEEE 802.16e. O IEEE 802.16d é o padrão de acesso sem fio de banda larga fixa. No Brasil, opera em bandas licenciadas (2,5 e 3,5 GHz). Já o IEEE 802.16e é o padrão de acesso sem fio de banda larga que permite o acesso tanto de clientes móveis como fixo utilizando as freqüências entre 2 e 6 GHz.A versão 802.16d emprega a modulação OFDM (Orthogonal Frequency Division Multiplex), enquanto que a versão 802.16e utiliza o OFDMA (Orthogonal Frequency Division Multiplex Access). A diferença é que na versão móvel (OFDMA) o canal pode receber múltiplos acessos simultaneamente enquanto que na versão fixa (OFDM) isto não é possível. O WiMAX apresenta-se como uma excelente alternativa para o acesso de banda larga de última milha em relação aos já tradicionais métodos oferecidos pelas operadoras de cabo e DSL, a tecnologia WiMAX tem um grande campo a explorar em áreas distantes e principalmente em países em desenvolvimento onde a construção de redes DSL e cabo terão um custo muito elevado. Além disto, o WiMAX pode ser usado para prover mobilidades em áreas já atendidas pela rede de cabos e DSL ou ser um complemento de última milha para esses serviços, backhaul para redes de telefonia móvel, comunicação de banda larga para dispositivos móveis, backhaul WLAN, fechar links ponto a ponto.

O WiMAX ainda pode ter uma utilização muito importante para as operadoras de TV a cabo que poderão utilizar o WiMAX para detectar “ilhas de demanda”, antes de investir na construção de uma rede HFC. Atualmente o governo é o maior consumidor da tecnologia WiMAX com soluções de atendimento móvel e projetos de inclusão digital, enfim o WiMAX tem uma aplicabilidade muito grande. O WiMAX tem sido constantemente comparado com o Wi-Fi, apesar de compartilharem algumas características técnicas fundamentais, os dois tem ambições bastante diferentes dentro do mercado de equipamentos Wireless. O Wi-Fi foi desenvolvido para prover mobilidade em áreas locais, já o WiMAX, por outro lado, foi desenvolvido para prover uma cobertura em grandes áreas, a principio deverá ser comum a aplicação de redes mistas utilizando WiMAX e Wi-Fi.

Um exemplo deste tipo de aplicação é uma empresa que possui um escritório remoto podendo assim fazer um link ponto a ponto WiMAX e dentro do escritório possui uma rede Wi-Fi para o usuário final, como ilustrado na Figura 1.

Figura 1 - WiMAX

Figura 1- Exemplo de Aplicação WiMAX

Outra tecnologia que tem sido muito comparada com o WiMAX e está até sendo vista como uma tecnologia concorrente é o 3G. Mas, apesar de atuarem em áreas bem parecidas, dificilmente as operadoras trocarão o 3G pelo WiMAX, pois o custo
de migração de sua rede atual para 3G é muito mais barato do que o custo de construir uma nova rede WiMAX, que poderá ser utilizado pelas Telcos em áreas ainda não exploradas ou para utilizar uma tecnologia complementado a outra na oferta de serviços diferenciados assim como algumas operadoras já tem feito (SprintNextel e Vodafone).

A Tabela 1 apresenta as vantagens e desvantagens de cada tecnologia levando em consideração a construção de uma nova rede.



Velocidade
Mobilidade
Alcance
Custo
WiMAX
V
V
V
V
3G
V
V
V
X
Wi-Fi
X
V
X
V
DSL
V
X
X
X

Tabela 1 – Comparação Tecnológica

O instituto de pesquisas norte-americano Maravedis publicou um estudo BMA/WiMAX, no qual aponta que os assinantes residenciais terão preferência pelo WiMAX móvel, enquanto as pequenas e médias empresas serão os maiores consumidores do WiMAX fixo. O instituto prevê também que a oferta dos produtos WiMAX ficará concentrada nas grandes empresas de telecomunicações que já operam no país. Aainda segundo o estudo, o Brasil terá 768 mil assinantes WiMAX em 2010 e de acordo com Adlane Fellah, diretor do Instituto Maravedis, o mercado fornecedor de equipamentos WiMAX terá uma receita de US$ 300 milhões no Brasil, no mesmo ano.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A versão fixa do padrão WiMAX atende uma área restrita do mercado, que necessita de uma solução de baixo custo e que possa dar acesso de banda larga e voz em regiões em que um serviço de banda larga convencional não seja viável. Grande parte da atenção da indústria se concentra no padrão móvel, devido ao seu potencial para oferecer um serviço sem fios de banda larga móvel. Aqueles que adotarem o WiMAX como canal de dados de banda larga, provavelmente continuarão utilizando seu fornecedor de serviço celular. De certa forma, WiMAX também terá que “concorrer” com a combinação 3G/Wi-Fi para encontrar espaço nos notebooks da próxima geração.

Os operadores são os candidatos com maiores probabilidades de utilizar o WiMAX. Esses operadores deverão enfrentar os obstáculos técnicos próprios da instalação de uma nova tecnologia sem fio e os desafios econômicos relacionados com a oferta de um serviço que deve atrair o interesse dos consumidores que já estão familiarizados com os serviços 3G e Wi-Fi. A vantagem que o WiMAX leva sobre a tecnologia 3G é que historicamente é mais caro trafegar dados sobre uma rede celular do que utilizando outros métodos.

O êxito do WiMAX no mercado deve começar em áreas onde as atuais tecnologias não atendem as necessidade dos clientes ou em áreas onde se é tecnicamente ou economicamente inviável a construção de redes convencionais. É claro também que para uma possível massificação da tecnologia será necessária uma queda nos custos para o usuário final.



Comente usando o Facebook!
0
0

20 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. André Santana

    Parabéns pelo post Thiago, muito bom mesmo.
    Nós da área de redes sempre devemos estar informados das novas tecnologias.
    Me responde uma pergunta, você acha que a CISCO poderá cobrar WINMAX nas próximas certificações?
    Abraços e mais uma vez parabéns pelo post!!!

    0

    0
  2. Stefan Braitti

    Olá Thiago, parabéns pelo artigo! Que você traga mais tópicos como este para discussão e conhecimento.
    Só achei umas coisas estranhas no texto, uma delas foi que você falou que a tecnologia atualmente “utiliza a largura de banda de frequência entre 2 e 11 GHz”. Bw de 2Ghz????

    Outra coisa, tenho 90% de certeza que tais estudos são financiados e modificados. Dúvido que o “Brasil terá 768 mil assinantes WiMAX em 2010”..

    Estes tempos fui convidado a ver um teste de um radio Wimax da empresa Linear (Fabricante de transmissores de TV digital, etc). Acabei não podendo ir, mas fiquei sabendo que tem grandes chances de o Wimax ser utilizado como canal de retorno do SBTVD.

    Espero mais artigos! Abraços

    0

    0
  3. Matheus

    Parabéns pelo artigo Guesse.

    0

    0
  4. Diogo Mendes

    Muito legal Thiago, bem vindo!

    Abraço!

    0

    0
  5. Mauricio Bento Ghem

    Muito bom Thiago.

    Valeu pelo artigo.

    E por sinal, a revista RTI é muito show!!! Descobri mês passado, e consegui assinar ela para a empresa. Se você tem uma empresa a assinatura é gratuita! Fica a dica para todo mundo:
    http://www.arandanet.com.br/revistas/rti/index.html

    Abração

    0

    0
  6. Fabio Ribeiro

    Muito boa matéria!!!

    0

    0
  7. Alexandre Avelar

    Muito legal o artigo.
    Eu particularmente nunca tive muita sorte com testes Wimax. Aqui na empresa já testamos Wimax da Telefônica. Não funcionou muito bem! Se não me engano, já testamos com a Embratel também, mas não tenho certeza no momento.

    Aliás, o que acontece com a homolocação desta tecnologia? Como está o Wimax no ponto de vista da Anatel?

    Att,

    Alexandre Avelar

    0

    0
  8. Alexander Willians

    Aeeeeeeeeeeeee Thiagão, parabéns pelo artigo!

    E, aproveitando, sei que é sua especialidade o protocolo LDAP. Manda um artigo sobre o assunto que todos vão gostar!

    Grande abraço e bem vindo ao blog!

    []’s

    0

    0
  9. Israel Carlos

    Boa !!!

    0

    0
  10. Marco Filippetti

    Thiagão, valeu pela contribuição!!! Estamos todos ansiosos pelo artigo sobre LDAP e sua variante, o LDAP-EU!!!

    Abração,

    Marco.

    0

    0
  11. juniorrossetto

    Parabens pelo Artigo Thiago!!

    0

    0
  12. tguesse

    Olá Pessoal me desculpem pela demora em responder, fico feliz que tenham gostado do post, abaixo seguem as respostas para algumas questões levantadas.

    Respo 1 ao comentario de Andre Santana = André não acho que a Cisco irá cobrar algo de WiMAX na certificação CCNA, futuramente com o amadurecimento e popularização da tecnologia acredito que possa cair alguma coisa bem conceitual nas provas referentes a CCNA/CCNP Wireless, mas por equanto não precisa se preocupar.

    Resp 2 ao comentario de Stefan Braitti = Uma das caracteristicas da tecnologia WiMAX é a utilização da portadora em múltiplas frequências com OFDM e OFDMA (2-11 GHz), referente aos numeros de assinante no Brasil acho totalmente viavel atingirmos 768 mil assinantes em 2010 uma vez que temos empresas como Telefonica e Embratel investindo e vendendo serviços baseados na Tecnologia WiMAX.

    Resp 3 ao comentario de Alexandre Avelar = a homolagação do WiMAX “móvel” no Brasil está um pouco emrolada, acredito que até por um pouco de lobby das grandes empresas de telecom que investiram no 3G e estão querendo colher os frutos deste investimento.

    0

    0
  13. Alison

    Parabéns pelo ótimo artigo, Thiago !!!

    Quero deixar claro que sou super fã do WiMAX…, mas pena que nao vai vingar muito se o LTE entrar de vez…

    Muitas das grandes corporações, como a Ericcson, Alcatel-Lucent, Siemens, já até anunciaram no inicio do ano que estavam abandonando a fabricação de equipamentos WiMAX, assim como fez a Nokia um mês depois de lançar um aparelho celular com tecnologia WiMAX…

    Apesar de o WiMAX nao ser uma rede cara, algumas operadoras já estão praticamente, prontas pro LTE, como a CLARO (se nao me engano), que ja tem a rede sobre uma infraestrutura da Huawei que suporta o LTE, só precisa de um “upgrade de licença” dos equipamentos… Da noite pro dia a rede passa a suportar LTE.

    Mas, (opiniao própria) até agora eu nao vi nenhuma operadora ou empresa anunciar nada oficial de LTE no Brasil…
    Até lá…

    Abraços
    Alison

    0

    0
  14. adilson florentino

    Parabéns pelo Post e pelo trabalho na revista RTI Thiago !!! Muito Bom !!!

    Bom, Certificação em Wimax propriamente dita a Cisco não oferece. Mas uma famosa Partner Cisco promove aqui em São Paulo o curso “Tecnologia WiMAX de Comunicação sem Fio” em 2 dias pela módica quantia de R$ 1.800,00. Para quem não é um milionário excêntrico (ou não tem uma empresa que te banque) e precisa estudar o assunto, sugiro que acesse o link http://www.wimaxforum.org

    T+ ! Que o lado Router da Força esteja com todos vcs !!!

    0

    0
  15. André Santana

    Obrigado por responder a questão Thiago.
    Abraços!!!

    0

    0
  16. Stefan Braitti

    Thiago,
    Acho que não fui claro, no texto está escrito que o WiMAX “atualmente utiliza a largura de banda de freqüência entre 2 e 11 GHz.”. Largura de banda de 2GHz? Acredito que esteja equivocado..
    Não sou conhecedor desta tecnologia mais acredito que você quis dizer que ela opera entre as frequencias de 2GHz e 11GHz e não tem utiliza uma banda deste tamanho. Se eu continuar errado, por favor me corrija..

    Sobre a previsão de 768 mil assinantes, isso me assusta. Escutei que a Telefonica e a Embratel já trabalham com wimax no ambiente corporativo, mas não imaginava algo “tão” grande assim. Mas vamos esperar e ver hehe

    Abraços
    Stefan

    0

    0
  17. Waldemar Jr.

    Trabalhei no grupo da Embratel, mais precisamente no Reparos PME. Na ocasião a embratel já possuia uma pequena quantidade de clientes, geralmente em locais onde não era possível chegar redes convencionais. Tenho péssimas recordações, pois era muito difícil realizar um reparo, principalmente se a troca de equipamento era necessária.
    Mas é isso aí, valeu pelo post e espero que a tecnologia realmente vingue.

    0

    0
  18. gudines

    Assunto show de bola. Parabéns Thiago.

    0

    0
  19. tguesse

    Bom dia Stefan o que eu quis dizer é que a tecnologia pode operar em varias faixas de frequencia, mas isso não quer dizer que um unico rádio esteja operarando neste range inteiro. Hoje por exemplo é muito comum ouvirmos falar de WiMAX em 5,8 GHz. (Apesar de tecnicamente 5,8 GHz ser considerado Pré WiMAX pois os fabricantes ainda não garantem a interoperabilidade)

    Abraço qualquer duvida fique a vontate para questionar

    0

    0
  20. ricardo.fsantos

    Muito bacana mesmo o teu post. Trabalho na Alcatel-Lucent e estive envolvido com os projetos de Wimax aqui no Brasil e em alguns países da America Latina.
    Realmente aqui no Brasil não vingou essa tecnologia, grande culpa da indesição da ANATEL em liberação das frequências, hoje a BRT que virou OI tem uma rede ativa apenas para “Friend Users” ou seja para seus funcionários testarem nos estados do PR e RS, aqui em SP tem 2 sites ativos. O equipamento e a tecnologia em si é muito legal de se trabalhar, a gente utilizava o roteador da Cisco 3845 com a função HA (Home Agent) para a mobilidade.
    Agora onde vingou e cada dia cresce mais a rede da Alcatel-Lucent é na Republica Dominicana, Bolívia e Chile. Apesar da Alcatel-Lucent ter anunciado que não investirá mais na tecnologia de Wimax Móvel, transferindo seus esforços para o LTE onde se tem noticias de taxas na interface aerea por volta de 60Mbps, lembro que no Wimax o máximo que conseguiamos garantir era um perfil com 5Mbps por usuário.
    Na minha opinião o Wimax pode ter evolução nesses países onde o custo da infraestrutura cabeada é muito elevado, o que torna o custo de implantação do Wimax viável devido a sua grande área de cobertura e eficiência.
    Porem aqui no Brasil vamos ir direto para o LTE, visto que a migração tanto de redes 2G /3G ou WCDMA é bem simples para o modelo LTE. Os trials com essa tecnologia já começaram em laboratório e em breve vão para campo, porem a ativação de alguma rede só vai ser mesmo no 2 trimestre do ano 2011.

    0

    0

Deixe uma resposta