«

»

jun 20 2012

Período (ou afastamento) Sabático – Afinal, o que é isso?

1282915798.jpgDepois que postei que havia entrado em um período sabático, não faltaram e-mails me perguntando do que se tratava isso. Perguntavam se eu havia sido demitido, se eu iria abrir uma empresa, se eu estava doente, se eu era louco, enfim, todos os tipos de questionamentos 🙂

Me senti, então, compelido a escrever este post para tentar jogar uma luz sobre o tema, e para mostrar que a decisão não é tão simples quanto possa parecer.

Vamos lá! Bom, vou começar explicando o porquê do nome. Sabático vem do hebraico shabbath (em latim, sabbaticu).  A palavra significa, entre outras coisas,  repouso, descanso (tanto que na maioria dos calendários, temos um dia na semana que, em tese, deveria ser para isso: o Sábado – para os judeus, pelo menos, o Sábado é o dia de descanso).

Em termos profissionais, um período sabático é nada menos que um período de descanso, renovação, estudos e reflexão, com duração que varia de 3 meses à 1 ano, normalmente solicitado pelo profissional após 10 anos de trabalho (não existe uma regra, entretanto). Esta prática é comum fora do Brasil, mas aqui, ainda engatinha. O fato é que, lá fora, especialmente no meio acadêmico, é comum o profissional solicitar (ou mesmo ter direito a) um período sabático e, ainda assim, manter o vínculo empregatício – remunerado ou não. Eu, particularmente, discordo um pouco deste modelo. Até porque, este é um período em que o profissional, em seu processo reflexivo, deve ter a liberdade de descobrir novos caminhos, intelectuais e profissionais. Não faz muito sentido – para mim, pelo menos – sair de uma posição, viver um mundo de experiências para depois, retornar ao ponto de partida.

De qualquer forma, a interrupção brusca na carreira causada pelo período sabático envolve riscos. Você está, literalmente, saindo do mercado. E ficará fora por um tempo. Muitos acham que este é um período para fazer um MBA, iniciar um mestrado ou mesmo um doutorado. Eu, novamente, não concordo muito com isso. O período sabático, em minha humilde opinião, deve ser destinado ao auto-conhecimento, ao ócio (isso mesmo, ao ÓCIO!!!), ao tempo de qualidade (seja com a família, com os amigos ou mesmo sozinho), à descoberta do mundo (leia-se: Viajar!!!), ao estudo – sim – mas de algo novo, que mexa com sua cabeça, que o faça ver as coisas de forma diferente – que o leve a pensar “fora da caixa”. Não adianta interromper um ritmo aceleradíssimo para entrar em outro, igualmente acelerado e neurótico. Você pode acabar voltando do seu sabático ainda mais estressado do que entrou, e muito provavelmente, sem ter feito grandes descobertas.

Um MBA é uma boa? Sim, por que não seria? Mas o fato é que não é preciso um sabático para fazer um 🙂 . A idéia é usar o tempo para algo (ou “algos”) que não seria, em tese, possível de ser feito no dia-a-dia convencional. Muitos viajam para locais de culturas exóticas, outros engrenam em missões para a África ou Ásia, conheço casos de pessoas que se aventuraram em terras inóspitas e até perigosas, um conhecido preferiu o isolamento completo em uma viagem à Patagônia, bom, acho que vocês pegaram a idéia 😉

Aprender algo novo, começar a praticar um esporte, cuidar da saúde, fazer uma loucura (como saltar de para-quedas ou fazer uma tatuagem), ir à um país de idioma e cultura completamente diferente do nosso (como a China, por exemplo) e ficar um tempo por lá “apanhando”, escrever um livro, ajudar ao próximo, politizar-se, a lista segue com possibilidades quase infinitas. O importante é que este tempo que vai ser tirado deve ser bem aproveitado, mesmo que seja para um bom e merecido descanso.

O problema que muitos não levam em conta é que este afastamento pode atingir o profissional como uma bomba. Dizem ser semelhante à iniciar a aposentadoria. Sem um plano, a criação de uma rotina, alguma estrutura, o indivíduo dificilmente conseguirá levar a cabo um projeto destes. Muitos desistem antes do fim do período planejado e retornam ao mercado. Outros, podem até entrar em depressão. Ou seja, não pensem que é fácil, porque não é 🙂

O planejamento é a chave do sucesso para um sabático. Pedir as contas na empresa simplesmente porque está insatisfeito e tentar entrar em sabático certamente não vai funcionar. Este período deve ser muito bem planejado. No meu caso, por exemplo, ocorreu o contrário. Eu pedi as contas quando estava no auge dentro da Embratel. Tanto que, a maioria – para não dizer todos – não acreditaram (ou não entenderam) no que estava acontecendo. Quase todos acharam que eu saía para iniciar em outra empresa. Os poucos que entenderam minha posição foram – pasmem – os gestores e diretores. Sim, porque eles, já com mais experiência, sabem da importância de um período destes. Um dos diretores da Embratel, inclusive, foi quem me incentivou – sem saber – a tomar esta decisão, já que ele próprio já havia tirado não um, mas dois períodos sabáticos. Em resumo, as pessoas nos surpreendem. Quando achamos que não vão achar legal, recebemos um apoio que nunca podíamos ter imaginado.

Não menos importante, existe a questão financeira.  Sair do mercado por um período implica em não receber um salário por este período. Portanto, para que o plano dê certo, é preciso realizar um planejamento financeiro que lhe dê fôlego para aguentar o tempo desejado. Pode parecer difícil, mas não é. Basta ter disciplina e colocar tudo em uma planilha que você vai ver que os números, de uma forma ou de outra, acabam fechando. Alguns “sabatistas” optam por ficar todo o período viajando. Bom, se vão ficar 1 ano afastados, pode ser uma boa alugar a casa aqui enquanto estiver fora. Outra idéia é se desfazer de alguns bens que não terão utilidade durante este ano, e que geram despesas, como um carro, por exemplo. De qualquer forma, a idéia é tentar cortar os custos ao mínimo durante este período, para que o dinheiro possa ser empregado onde vai lhe dar mais retorno (viagem, cursos, etc).

Bom, é isso o que eu tinha para lhes falar sobre o tema. Espero que tenham gostado. Se eu motivei alguns à seguir neste caminho, apenas reforço o seguinte: Planejem-se com cuidado, assumam o risco (pode ser que retornar ao mercado não seja tão fácil depois, deve-se sempre lembrar disso), não se esqueçam de criar uma rotina para os dias de ócio – ou vocês podem enlouquecer 🙂 – e, por fim, acreditem nas pessoas. A reação delas vai surpreender vocês, podem ter certeza.

PS: Alguns links sobre o assunto 😉

Abraço!

Marco.

0
0

17 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. miovieira

    É Marcos, tem horas que realmente devemos fazer isso. Realmente o Shabat é sagrado para os Judeus, mas sinceramente, tenho amigos Judeus que tambem estão na area de TI/Telecom que não conseguem guardar o Sabado (tem que esperar Yom Kipur para pedir perdão).
    Em Agosto estou indo para Israel, para sair um pouco dessa rotina maluca. Imagina, esse fim de semana trabalhei de Sabado 23:00hs até Domingo 19:00hs direto. Paz e luz.
    Abs

    0

    0
  2. Juiz

    É isso ai Marco… Parabéns pelas decisões e pela coragem… E estamos ai para o que der e vier!!!

    0

    0
  3. Sérgio F.S

    O interessante é que nunca percebemos que você estava precisando deste tempo, mesmo que andava um pouco afastado das postagens aqui no blog. De todo modo, parabéns pela decisão e boa sorte!

    0

    0
  4. Kalau

    Belo post, conhecia o assunto bem por alto….

    0

    0
  5. Sérgio F.S

    É verdade, eu esqueci de dizer, que também não tinha muito conhecimento sobre este assunto, na verdade, este é o primeiro contato mais forte que já tive. Ler os relatos de alguém que está no caminho do mesmo.

    0

    0
  6. rpedrosa1979

    Realmente é preciso muita coragem para tomar uma decisão dessa.
    Espero que possa refletir e encontrar novamente o caminho da luz e sabedoria.

    0

    0
  7. lfm1985

    Também sou Judeu, e trabalho com Telecom, adoro essa vida de trabalhos na madrugada, queda de link, satauração de banda, ANNOUNCE BGP, essas coisas..
    Porem e uma tortora para min nao guarda o sabado….
    Creio eu que se tivermos uma vida espitirual e familia otima, o trabalho será muito MELHOR!
    OTIMO POST!

    0

    0
  8. Rafael

    Caro Marco,

    Ontem eu li a revista você s.a e tem uma pequena parte falando sobre isso…lembrei de vc na hora ! rsrs

    Parabéns.

    0

    0
  9. Marcelo Nunes

    Que esse perido seja importante para suas futuras decisões, aproveite e injete um pouco de adrenalina na vida. Sucesso e sabedoria Marco. Grande abraço

    Marcelo Nunes. Tchê

    0

    0
  10. ferrugem

    Blz de post Marco!

    Agora é colocar em prática todo o planejamento, curtir e ser feliz!

    Como diz a frase de Dalai Lama: “Só existem dois dias em que nada pode ser feito: um se chama ontem e o outro amanhã”, então faça o que pode ser feito hoje.. Amanhã pode ser tarde demais…

    Você é muito fera e merece tudo de bom sempre!

    Abs,
    Felipe Ferrugem!!!

    “Juntos somos ainda melhores!!!”

    0

    0
  11. Alexandre Lima

    ah! Será que foi igual a Fatima Bernardes ….

    0

    0
  12. Josue

    Sabedoria !!!
    Rumo ao um sucesso profissional e pessoal maior ainda !!!

    0

    0
  13. Fernando Avelino

    Com certeza é fundamental se encontrar na vida, não adianta chegar a ser um “Bill Gates” se chegar la lhe custar a dignidade sua saúde e sua família, no final tudo que importa é a família, trabalho, carreira é muito bom e nos torna melhores mas viver unicamente pra eles não é saudável, ter equilibrio na vida é fundamental e um período assim é muito importante pra encontrar seu eixo na vida e ter sabedoria para tomar decisões. Parabéns pela decisão.

    0

    0
  14. zyleu

    Parabéns Marco por essa atitude, acredito que a pessoa tenha uma grande coragem e segurança de si para se ter essa atitude.
    Espero sucesso em sua fase “Sabática”, eu também já passei por uma fase dessas em que deixei tudo de lado e me dediquei aos estudos.
    Estou gostando muito do seu curso, sucesso para nós ! =D rumo ao CCIE …

    rsrsrs

    0

    0
  15. Fábio R. Hernandes

    Meu ‘período sabático’ dura só um mês, que são as férias hehehe

    Colocar a mochila nas costas e partir para um lugar desconhecido é a minha maneira de fugir do stress do dia-a-dia e voltar renovado. Poderia ser por um período mais prolongado, mas essa fase ainda não chegou na minha vida.

    Essa maneira independente de viajar me permite aperfeiçoar minhas habilidades de planejamento, otimização do tempo e tomada de decisão com raciocínio rápido diante de imprevistos.

    Pretendo, um dia, viajar para um lugar onde não se fala português. Nem inglês. Nem espanhol. Se eu não aprender nada, pelo menos vou ficar bom em mímica!

    0

    0
  16. Ronald de Oliveira Freitas

    Marco,

    Não sei se você pode mas se puder, compartilhe conosco qual foi aquele momento “chave” que você percebeu que era a hora de encarar este novo período.

    Um abraço e parabéns pelo planejamento e coragem.

    Ronald

    0

    0
  17. Marco Filippetti

    Ronald, estou escrevendo um diário desde que tive esta idéia. Um dos projetos é transformar isso em um livro, depois. Vamos ver!

    0

    0

Deixe uma resposta