«

»

fev 18 2013

Entrevista: Thiago Capucin – O SEGUNDO engenheiro de redes contratado pelo Google no Brasil

72599_269718459825528_844279243_n.jpgPessoal, de tempos em tempos aparecem oportunidades de realizarmos entrevistas marcantes, que ao mesmo tempo tem o poder de entretê-los e motivá-los. Tenho certeza que esta será mais uma delas! Tive o prazer de trabalhar com o Thiago, quando na Embratel, e posso dizer que ele é um profissional bem acima da média. Bom, não acreditem em meu julgamento, apenas. Ele foi contratado recentemente pelo Google para a posição de Network Engineer, e vai trabalhar no novíssimo e desejado escritório da empresa, em São Paulo.

Todos sabem que o Google não escolhe qualquer um para fazer parte de seu quadro de pessoal. Há algum tempo, tive o prazer de entrevistar, aqui, um ex-colega de faculdade que tornou-se vice-presidente de RH do Google para a América Latina. Se não leram a entrevista na época, vale a leitura agora. O Deli comenta um pouco sobre os requisitos admirados pelo Google em seu disputadíssimo processo de seleção. E por que será que tanta gente quer trabalhar lá?

Razões não faltam:

  • Bons salários
  • Excelente ambiente de trabalho
  • Benefícios a perder de vista
  • Trabalhar com excelentes cabeças
  • (Real) Possibilidade de crescimento
  • etc, etc, etc

 Espero que apreciem a entrevista feita com o Thiago. Que sirva para lhes abrir a cabeça e motivá-los! 


<INICIO>

Thiago, antes de mais nada, obrigado por ceder um pouquinho do seu tempo para nos conceder esta entrevista! Espero que esta entrevista motive e indique o caminho para muitos dos nossos leitores!

Marco: Conte um pouco sobre seu início na área de TI / Redes / Telecom. Fale-nos um pouco de sua formação, experiência profissional, enfim, tudo o que achar que pode interessar aos nossos leitores.

Thiago: Não imaginava onde poderia chegar quando decidi estudar telecomunicações em 2002. Tudo começou com o curso técnico no Senai, em Campinas, na época este curso era muito conceituado e o mercado das telecomunicações passava por um grande momento. Depois do Senai, decidi que havia escolhido uma carreira a seguir, mesmo que inicialmente eu optasse pelo segmento da Eletrônica dentro das Telecomunicações.

Em 2005 investi no vestibular do curso de tecnologia em Telecomunicações da Unicamp, e consegui ser aprovado! Foram 3 anos de graduação sem nenhuma dependência, uma iniciação científica realizada e um artigo publicado num congresso internacional do IEEE em 2008 (Andescon ’08). No primeiro semestre a faculdade me fez abandonar meu primeiro emprego, na Magneti Marelli e em 2008 eu também abandonava meu segundo emprego de técnico na Foxconn para ingressar no Mestrado da FEEC, na Unicamp. Então comecei a trabalhar como bolsista no LarCom (Lab. Redes e Comunicações – Unicamp). Em 2010 eu deixei a Universidade para aprender na prática o que é telecomunicações e ingressei na Fiberwork para trabalhar com caracterização de redes ópticas. Na Fiberwork aprendi muito com diversas experiências, como as operações na rede óptica da Petrobras na floresta amazônica, no gasoduto Urucu-Manaus, até na caracterização da rede OPGW da CFE (Comission Federal de Eletricidad) no México, onde viajei mais de 10.000km por todo o território mexicano num projeto de mais de 45 dias.

Finalmente, deixei a Fiberwork em 2011 para ingressar na Embratel e fazer parte de um competente e importante time de Engenharia. Inicialmente o desafio era cuidar de um projeto óptico de larga escala da Claro para o estado de SP, e diversos outros projetos grandiosos que surgiram até minha saída, como o Projeto Olímpico Rio 2016, por exemplo. Em novembro de 2012 o Google fez o primeiro contato comigo.

Marco: O que o motivou a seguir na carreira de redes / telecom?

Thiago: Acho que tive mais de um motivo para escolher esta carreira. Primeiro foi porque meu pai sempre trabalhou na área eletrônica, e em empresas multinacionais de grande porte, e eu sempre admirei o seu trabalho. Também acreditei na minha aptidão em exatas, nunca me imaginei fazendo qualquer outra coisa na área de Humanas ou Biológicas! E além disso, quando cogitei fazer meu primeiro curso técnico no Senai, o mercado das teles estava em alta, e imaginei que com certeza este seria um mercado promissor! Acho que eu não estava errado 🙂

Marco: Thiago, você possui alguma certificação profissional em TI? Caso positivo, qual ou quais? Ainda falando em certificações, pensa em correr atrás de alguma em especial?

Thiago: Ainda não Marco! No passado pensei em tirar o ITIL e cheguei até a cursar os módulos do curso CCNA na Fundação Bradesco, mas, foi na mesma época em que precisei ir ao México a trabalho e acabei por abandonar o curso! Agora, pretendo retomar o CCNA, pois tenho uma base sólida de conhecimento que pode me garantir esta certificação apenas com mais um pouco de estudo. Aliás, seu livro e a CloudCampus serão grandes aliados nesta conquista!

Marco: Como você entrou no processo seletivo do Google, poderia passar uma dica aos nossos leitores? 

Thiago: Marco, sou um cara de muita fé e credito a Deus o sucesso deste processo. Em outubro de 2012 eu entrei no site: ‘http://www.google.com/about/datacenters/’ por acaso e fiquei deslumbrado com o que vi. A ideia dos “green” datacenters da Google e as imagens dos seus prédios são fantásticas! Naquele dia resolvi entrar no site da Google para ver posições de trabalho no Brasil, e mesmo observando que não havia nada do meu interesse comecei a cadastrar os meus dados no site. Então, num mal súbito pensei: “Meu Deus, quem sou eu para achar que posso trabalhar nesta empresa…?” E fechei a página… Um mês depois uma recruiter da Google me contatou pelo LinkedIn!

Marco: Como foi o processo seletivo até a entrada no Google como Engenheiro de Redes? Qual você acha que foram os principais diferenciais que o levaram a ser escolhido? 

Thiago: O processo deles sem dúvida é um dos mais árduos do mundo. Tanto que há um documentário de um canal fechado sobre isto, sobre “the way Google hires people”. Não posso abrir informações sobre o processo, mas digo que foram diversas entrevistas por telefone, outras diversas entrevistas pessoalmente na sede da Google (eles me mandaram para Mountain View, CA), entre aprovações de comitês e de diretores executivos, que incluiu até mesmo Larry Page, CEO e Founder da Google. Além disso, houve consultas a referências de trabalho aqui no Brasil… e é por isto que digo: “sempre tenha amigos por onde você passar!”. Eu também sei que a Google analisa o perfil criativo dos seus candidatos, e fiz algo por conta própria que até agora não sei se de fato me ajudou a ser bem visto pelos primeiros recrutadores. A verdade é que o Google analisa você como um todo, como um ser humano, e não apenas como um profissional com conhecimento! Bem, o inglês eu nem cito como um diferencial, foi um requisito.

Marco: Poderia passar algumas dicas aos nossos leitores que estão batalhando por uma posição no mercado? 

Thiago: Marco, particularmente eu não confio apenas na minha capacidade e na minha inteligência! Por isto, digo aos leitores que tenham fé, sempre! Nunca deixem de acreditar em si próprios, pois isto é muito importante! Levo comigo a palavra de Provérbios 3:5 “Confia no Senhor de todo o seu coração, e não se apoie na sua própria inteligência”. Claro, eu sempre precisei fazer minha parte, mas, tenham fé! Façam tudo sempre com satisfação e perfeição. Nunca se limitem a fazer apenas o que lhes pedem, pois eu sempre busquei superar a mim mesmo em qualquer trabalho a fim de satisfazer a necessidade do meu cliente, do meu gerente, do entrevistador! Ao longo desta jornada, também percebi quão importante é a experiência profissional, já que mesmo sem certificações de peso na área de TI eu consegui entrar em uma das mais concorridas empresas do mundo, e pelo segundo ano consecutivo a melhor empresa para se trabalhar no mundo! Se você deseja trabalhar em um lugar específico, comece ao menos conhecendo bem esta empresa! Enfim: Sonhe!

Marco: Qual será seu papel no Google, como engenheiro de redes?

Thiago: Serei o segundo engenheiro da Google no Brasil, me reportando diretamente para os USA a fim de auxiliar a empresa no “deployment” de redes IP e DWDM na América do Sul. Porém, antes de começar lá, eu apenas posso parafrasear o Deputado Tiririca:“eu vou descobrir o que irei fazer e depois te conto”! 😀

Marco: Você considera que a qualidade de sua Formação acadêmica teve um peso decisivo no processo? Indo além: Na sua opinião, formação acadêmica é importante, ou apenas ser certificado já seria o suficiente?

Thiago: Sim, a formação acadêmica é muito importante, mas, para mim não é tudo. Sem ela é difícil, ou até impossível você passar dos níveis técnicos e almejar grandes posições do mercado. A graduação te possibilita sonhar mais alto! Contudo ela também não é fundamental, pois eu mesmo não me formei especificamente em Engenharia, mas trabalho como engenheiro! Já a certificação para mim é um grande diferencial que comprova que você de fato é um expert num determinado assunto, e vem somar à sua formação acadêmica e à sua experiência profissional. Ela abre portas e torna o profissional diferenciado de um mercado que muitas vezes parece ser tão “homogêneo”. Por este motivo eu mesmo quero correr atrás das minhas! 😉 Lembrando que isto não abona a demonstração da experiência que você tem mesmo se você não possui o “canudo”! No meu caso, acredito que nem a Unicamp ajudou neste processo já que ele foi tratado diretamente nos USA e ninguém pareceu conhecer a universidade! De fato, fui indagado a comentar mais sobre um dos meus artigos publicados do que sobre a graduação em si!

Marco: E o Inglês? Será mesmo necessário? O que você acha? 

Thiago: Na minha posição será, já que me reportarei aos USA. Inicialmente o inglês se apresentou como meu primeiro desafio Marco, afinal não vivi nos USA para ter um inglês nativo e ficar despreocupado! Porém, eles me entenderam, eu os entendi, e as vezes acho que fingíamos que entendíamos uns aos outros! 😀  Tive um score do TOEIFL considerável, que me garante fluência e por isso não tiro o meu mérito! Afinal, cada entrevista por telefone durava uma hora, e quem fala em inglês por telefone sabe a dificuldade de uma conversa assim. Mas, minha ideia sempre foi deixar toda entrevista descontraída! Isto apenas nos auxilia contra o nervosismo, e faz você mostrar confiança ao seu entrevistador ao invés de parecer um fantoche! Descontrair a entrevista também não foi difícil de fazer com os profissionais da Google, que são muito informais! Eles mesmos me disseram antes da entrevista: “Leaveyour sue andtieat home…” A empresa de fato não segue a mesma cultura do entrevistador brasileiro, conhecido pela seriedade e pelo ar de superioridade durante entrevistas, inclusive quando sabemos que o requisito também pede o inglês, o que nos faz suar muito em apenas 15 minutos de conversa! Passei tranquilamente por um dia inteiro de entrevistas nos USA, das 10a.m. até as 03p.m. Portanto, se o inglês é necessário? Sim, com certeza! Acho que atualmente não é possível almejar nada grandioso profissionalmente sem o Inglês, e isto não apenas em nosso mercado de trabalho! Com certeza eu não teria conquistado esta posição sem o inglês!

Marco: Você acabou de ser contratado por uma das empresas mais procuradas por profissionais do mundo inteiro, e que é famosa por ser extremamente exigente em termos de seleção de pessoal. Ainda é cedo para perguntar isso, mas o que você almeja para seu futuro profissional, agora?

Thiago: Marco, agora quero me dedicar a este trabalho, e terminar meu mestrado na Unicamp. Só preciso terminar a escrita da minha tese! Também quero garantir o CCNA em 2013! Profissionalmente posso dizer que sou realizado, e de fato hoje faço parte de um seleto grupo de profissionais. Nem imagino quantas pessoas gostariam de trabalhar no Google! Para o futuro almejo o meu próprio crescimento dentro do Google, e profissionalmente hoje não consigo pensar em mais nada, afinal, não planejei nada, ontem estava em uma grande empresa, e hoje sou engenheiro da Google! Levo comigo o que me trouxe até aqui: a honestidade, um trabalho sério e bem feito, frutos de dedicação, compromisso, humildade, e principalmente: fé em Deus! Sem dúvida eu creio que tudo isto resume minha história profissional, que continua a ser escrita agora numa das maiores empresas do mundo! O amanhã a Deus pertence… mas o que cabe a mim, eu farei!

Marco: Thiago, excelente entrevista! Muito obrigado! Tenho certeza que os leitores apreciarão o que ficou registrado aqui! E, claro, desejo-lhe MUITO sucesso nesta nova empreitada, e tenho certeza que ficará bem, pois o conheço o suficiente para poder afirmar isso 😉

Thiago: Marco, eu é quem lhe agradeço pelo carinho, auxílio e amizade, inclusive demonstrados nos momentos em que trabalhamos juntos na Embratel!

<FIM>  
 



Comente usando o Facebook!
0
0

23 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. Rafael

    Parabéns pelo artigo Marco!
    Cara meus Parabéns, essa vaga é mais concorrida do que medicina.

    0

    0
  2. Fernando Avelino

    Deu pra perceber pelo tom da conversa que o thiago é um cara humilde (algo que falta muito nessa área em alguns lugares), deu pra ver que pra entrar no Google tem que conhecer muito de transmissão, por isso creio que certificações pesam pouco pra vagas assim….. Profissionais que realmente manjam de dwdm estão escassos. Parabéns marco pela excelente entrevista e parabéns thiago pela conquista, como vc mesmo disse o segredo é nunca desistir, quem persiste pode até não chegar lá mas chegará na frente de muita gente

    0

    0
  3. avner_ads

    Sensacional! Foco, força e fé! Muito obrigado Marco e Thiago por essa motivação extra que eu recebi nessa momento. Parabéns ao Thiago!

    0

    0
  4. Josue

    Parabéns !!!
    Muito Sucesso !!!
    Ótima Entrevista !!!

    0

    0
  5. jdamasio

    Entrevista excelente, parabéns ao Thiago pela conquista, e como já foi citado a cima, ele parece ser um cara muito humilde.

    0

    0
  6. jonas

    Muito Bom.
    Parabens Thiago, que Deus te ilumine nesta nova jornada !

    0

    0
  7. Cesar Negri de Oliveira

    Estudei na turma do Thiago na Unicamp. Sempre foi um cara muito dedicado aos estudos. Merece tudo isso! Parabens Thiago!

    0

    0
  8. Edson

    Excelente depoimento, muito motivador!
    Parabéns pela garra e dedicação.

    🙂

    0

    0
  9. Daniel Melo

    Colegas, como é bom ver todo o esforço e dedicação se tornando em reconhecimento. È aí onde quero e tenho certeza que todos vocês.

    Parabens thiago, e vc acaba de se tornar espelho para muitos.. abraço !

    0

    0
  10. grillmon

    Excelente entrevista Marco e claro uma grande caminhada que o Thiago está traçando com trabalho, humildade e claro esforço.
    Boa sorte ao Thiago e sucesso ai na Google. Abraço.

    0

    0
  11. ferrugem

    Sensacional entrevista!!! Como é bom saber de histórias de sucesso como esta!!!

    Grande jornada pela frente!!! Que você tenha ainda mais sucesso nesta nova fase Thiago!!!

    Valeu Marco por mais esta entrevista que, sem sombra de dúvidas, motiva quem está na na caminhada!!!

    Abraços,
    Felipe Ferrugem!!!

    0

    0
  12. adamus0007

    E muito motivador.
    Obrigado

    0

    0
  13. Roberto Mendonça

    Poucas vezes li uma entrevista tão boa. O feito de Thiago deixa claro a importância de não ser apenas um bom profissional, mas também ter bons relacionamentos, ser honesto e principalmente ter fé e ser uma pessoa humilde.

    Parabéns pela entrevista Marco, um exemplo a ser seguido por todos.

    0

    0
  14. Tiago Lima

    Parabéns Thiago, merecido sucesso!!

    Marcão, mais uma vez mandando super bem!

    Galera, eu sempre ouvi isso: “SEJA HUMILDE, gafanhoto, e tenha FÉ.”

    Abraços,
    Tiago

    0

    0
  15. Wagner Pereira

    Amigos, tenho uma curiosidade: como fica a questão trabalhista (Ministério do Trabalho, CLT etc) com relação a ser contratado como Engenheiro de Redes sem ter uma graduação formal em Engenharia? Tenho visto discussões interessantes no Linked In sobre esse tema, mas não é um consenso.

    0

    0
  16. Marco Filippetti

    Não tem nada demais. Já fui contratado como engenheiro de redes na carteira por 2 vezes. Não precisa ser formado em engenharia para isso, é apenas a denominação do cargo, que pode ter qualquer nome. Até porque, não existe engenharia de redes como formação.

    Marco.

    0

    0
  17. Wagner Pereira

    Interessante sua experiência nesse caso, Marco. Já ouvi gente dizendo que a empresa pagaria multa ao Ministério do Trabalho em casos assim. Isso não deve ser verdade, por fim, senão grandes empresas não arriscariam. Mas deve fazer diferença se o profissional trabalha como Engenheiro de Redes autônomo, não? Como o CREA encararia um cara dizendo que é Engenheiro? Exercício ilegal da profissão, já que ele não tem o registro e não paga por ARTs?

    0

    0
  18. Marco Filippetti

    Wagner, sinceramente… não sei e não me interessa muito. O que me interessa é meu trabalho, o que eu faço e quanto me pagam. Não sob qual nomenclatura me registram. Abraço!

    0

    0
  19. Alexandre Lima

    Marco, Fantástica a entrevista! Show de humildade fé e muito profissionalismo… é muito motivador você compartilhar a experiência de um profissional deste porte.. Muito obrigado Marco e Sucesso Thiago!! muito sucesso mesmo!!

    0

    0
  20. Thiago William

    Obrigado a todos vocês pelo carinho e pelos sinceros votos de sucesso! Obrigado mais uma vez Marco!
    Abraços!

    0

    0
  21. thiago_sp

    Aproveitando a entrevista, e dando aqui os meus parabens ao Marco e ao Thiago (que por sinal meu xará, rsrsrs), gostaria de saber como foi a jornada dele para apreender o inglês, pois acho que isso é o principal desafio hj em dia em nossa area.

    0

    0
  22. ronaldodemelo

    Excelente entrevista e sinceramente motivadora, não que todos irão trabalhar no google, mas que sim podemos vencer na vida e conquistar lugares altos dentro da nossa profissão.
    Esquecemos que possuímos uma força infinita dentro de nos e que se juntarmos essa força de vontade, nosso conhecimento e fé, mas com muita perseverança alcançaremos a vitoria e chegaremos lá !

    Abraços e parabéns ao Thiago, boa sorte cara!

    0

    0
  23. Thiago William

    Xará (thiago_sp), para ser sincero o inglês é de fato um dos principais desafios. Afinal, se não conseguimos nos expressar bem em inglês podemos até saber a resposta das perguntas, mas, não conseguimos nos expressar como gostaríamos. Como falei na entrevista, nunca morei fora do Brasil. Aprendi o Inglês numa escola de idiomas!
    Como qualquer outra coisa, inglês é dedicação e treino. Sempre procurei conversar em sites com pessoas estrangeiras, na faculdade li muitos artigos em inglês, e eu realmente me dediquei ao curso (não pegava o material apenas para ir às aulas…). Não vou fazer propaganda de nenhuma escola aqui, mas me adaptei ao método da Wizard. Inglês também é adaptação ao método de ensino, e hoje existem diversas escolas com diversos métodos! Cabe a cada um escolher o que mais adequado ao seu perfil. Por fim, também não acredito em milagres do tipo: “Fale em 6 meses…” Você pode até falar para ir viajar e não ter problemas, mas para uma entrevista ou conferência em inglês o negócio é diferente! No meu caso foram 5 anos de aprendizado contínuo… Abraços Thiago, e obrigado pelas palavras de incentivo!

    0

    0

Deixe uma resposta