«

»

mar 12 2018

O peso da teoria na prática

Este post estava em draft desde 2010! Não me lembro o motivo pelo qual nunca o terminei, mas hoje tomei vergonha na cara. Na ocasião em que comecei a escrever este post, eu me preparava para mais uma das intermináveis janelas de manutenção – parte integrante da vida de um profissional de redes e TI – e pensei em um tema que julguei merecer um post. O título diz tudo: “O peso da teoria na prática”.

Fiz uma paralelo com um profissional que se forma em administração de empresas. Também cursei ADM, e posso falar um pouco sobre o tema 😉 . Conheço pessoas que chegaram ao topo (ou quase) mesmo sem conhecer ou lembrar-se dos ensinamentos de Peter Drucker – o “guru” da Administração de Empresas, por exemplo. Em redes, entretanto, a coisa muda um pouco de figura. Não é possível avançar na carreira sem possuir os conhecimentos teóricos que regem a transmissão de dados. Por exemplo, é praticamente impossível se projetar uma rede sem o conhecimento de como os protocolos e teorias envolvidas afetarão o fluxo de dados. Bom, possível é, mas a rede jamais irá se comportar da forma esperada.

Quando há um problema em uma rede, para identifica-lo e corrigi-lo de forma definitiva, o conhecimento teórico entra em cena uma vez mais. Por que estou levantando este assunto? Porque é normal vermos, nesta área, profissionais que ainda configuram e “solucionam” problemas de redes na “tentativa e erro”. Algumas vezes, o problema parece ter ido embora, e vem a sensação de dever cumprido. Algumas semanas ou meses depois, ele retorna com mais força e produzindo um estrago maior. E o mesmo profissional que resolveu o problema antes provavelmente não vai se sair bem desta vez, pois não sabe sequer a causa do problema.

Isso serve de alerta para aqueles que insistem em usar braindumps para passar nos exames de certificação. Profissionais que passam nestes exames “colando” dificilmente conseguirão chegar ao topo nesta área. Aqui, quem não sabe, não avança pois a falta de conhecimento é rapidamente percebida no dia-a-dia. Obviamente isso não vale apenas para redes. A maioria das profissões segue esta regra. Mas redes (e profissões que demandam conhecimentos específicos como Medicina, Engenharias, etc) são mais “cruéis” neste sentido. Na hora que a coisa apertar e o conhecimento teórico for exigido, irão se sobressair os melhores preparados.

E como fica o caso do profissional que possui um grande embasamento teórico mas pouca experiência prática? Esta é a parte interessante: Se o conhecimento teórico é sólido, aplicar o conhecimento na prática torna-se algo natural. O contrário não é necessariamente verdadeiro. Mesmo um profissional com vasta experiência prática vai penar para implementar algo novo se não conhecer a teoria por traz da tecnologia. SD-WAN é um exemplo recente disso (e um tópico que merece um post dedicado mais adiante).

Por isso é importante manter-se constantemente atualizado, e tentar não deixar a peteca cair. Nesta área, quem fica na zona de conforto fica para trás. Eu tenho batido nesta tecla desde o início do blog, em 2007. Era verdade naquela época e hoje, mais do que nunca, segue sendo. Basta ver como as coisas mudaram rápido de 5 anos para cá: SDN, SD-WAN, Orquestração e Automação de redes, etc. E tem muito mais vindo aí – a introdução das redes 5G é um bom exemplo.

Abraços!

Marco.

4
0

Deixe uma resposta