Grampos revelam detalhes da fraude atribuída à Cisco

Pois é amigos, as investigações estão mostrando que a coisa é realmente feia. Pelo jeito, estão conseguindo conectar a matriz da Cisco aos problemas aqui no Brasil (o que era mais ou menos óbvio, na minha opinião, já que o presidente da Cisco Brasil está no xilindró).

Um modo de saber se este escândalo esta afetando ou não a Cisco como um todo é observar a cotação das ações da empresa. Se começar a cair após, por exemplo, a formalização das acusações aqui no Brasil… preparem-se!!! A coisa pode ficar pior do que se imagina.

Para acompanhar as cotações da Cisco (CSCO na NASDAQ), cliquem aqui. Vocês observarão que, nesta página, logo abaixo, existe uma área de notícias relacionadas à empresa. Vocês perceberão que já existe uma nota sobre o escândalo aqui no Brasil.

Lembrem-se: Se a cotação cair junto com a de outras empresas (como ocorreu na última 6a), não há com o que se preocupar. Agora, se as cotações começarem a cair após algum anúncio importante aqui no Brasil… sai de baixo!!

Segue notícia publicada pela Folha/UOL hoje, 21/10/2007.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u338401.shtml

——————————————————————————————–

Grampos revelam detalhes da fraude atribuída à Cisco

Interceptações telefônicas feitas pela PF (Polícia Federal) e reveladas em reportagem da Folha deste domingo (exclusiva para assinantes UOL ou Folha) mostram detalhes da fraude fiscal de R$ 1,5 bilhão supostamente operada pela Cisco do Brasil, com a participação da sede norte-americana.

Nos diálogos gravados, há funcionários de empresas que, segundo a PF, foram criadas exclusivamente para “blindar” a Cisco, dizendo que era preciso “fazer de conta” que existia uma industrialização e, com isso, ganhar na redução dos impostos.

Em conversa entre Carlos Carnevali, que fundou a Cisco no Brasil, e Marcelo Ikeda, diretor da Mude (também citada no caso), foi falado sobre a importância de não decepcionar a “mãe Cisco”. Em nota, a companhia informou que não acredita na atuação “inapropriada” de seus funcionários e que “tomará as medidas cabíveis assim que forem finalizadas as investigações”.

Deixe um comentário